quarta-feira, 10 de junho de 2009

O Exterminador do Absurdo


Eu estava colocando a leitura em dia depois de semanas de caos e, sentado numa lanchonete americana, quase chorei. Não, não virei emo. Mas estava lendo a matéria da Entertainment Weekly sobre O Exterminador do Futuro: A Salvação. Tive dó de McG e de Christian Bale. Me lembrou um pouco o sentimento dúbio (raiva e pena) quando estava, há duas semanas, no estádio Bruno Daniel, em Santo André, vaiando Obina pela última vez no Flamengo (fiz o mesmo com Souza, ano passado, contra a Portuguesa). Tanto que separei minhas partes preferidas:

McG: "O velho McG está morto!"

McG: "Meu nome não definirá meus filmes. Meus filmes definirão meu nome!"

McG: "Olha, sei que tenho um currículo de filmes que não sugeririam que sou um bom contador de histórias. Preciso me provar neste longa. Antes de ser Johnny Depp, você precisa passar um tempo em Anjos da Lei."

Bale: "Olha, com todo esse lance de meu comportamento e a impressão que as pessoas têm da porra do McG, nada deveria importar. Eles apenas querem um bom filme!"
McG (para Bale, segurando uma cópia de A Estrada, de Cormac McCarthy): "Christian, ninguém teve fé em você para fazer algo que ele nunca fez antes? Me dê essa oportunidade!"

(Pausa para as lágrimas)


Todo esse chororô seria lindo se T4 não fosse uma porcaria sem fim. Ok, tem cenas de ação bacanudas e um visual pós-apocalíptico cru. Mas para um astro preocupado com seu trabalho, que precisou chamar Jonathan Nolan para (aham) e Paul Haggis reescreverem o roteiro e ainda tinha direito de veto, como explicar:

1) A resistência se comunida via rádio. Tipo, um vagabundo ouve um radim de pilha em alto e bom som e máquinas que dominam o mundo não têm essa capacidade?

2) De onde veio o personagem de Sam Worthington? De que ano? Ele estava congelado na Skynet? Se ele é um andróide de disfarce perfeito, não seria mais adiantado que um T800? Não bastaria matar Kyle Reese e completar a missão?


3) "You Could Be Mine"? Sério, McG? Nem Axl Rose consegue levantar o Guns, imagina você.


4) (Spoiler) Transplante do coração no meio do deserto sem a menor verificação de compatibilidade?


5) Uma mulher grávida no meio da invasão à Skynet?

6) Depois de conseguir realizar a missão, o cara me vem com o discurso: "Isso foi apenas uma batalha, a guerra está longe de ser vencida"? Porra, duas horas perdidas para quê?

7) Romance no meio de um tiroteio nem Bruce Willis faz mais isso, McG.


8) No futuro, ninguém fala palavrão ou sangra?


Tem muito mais. Mas já perdi muito do meu tempo com assassinatos de franquias legais. Que venha o novo Aliens e Blade Runner para completar o inferno...

5 comentários:

Evz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Evz disse...

Salem, normalmente EU sou o chato nessas coisas, mas como vc começou, irei rebater algumas de suas perguntas com opiniões minhas e de sobra, comento umas duas ou três coisitas de Star Trek:


1) Ele não revelava origem, mas difundia uma mensagem. Creio que os sinais de rádio seriam mais difíceis de 'traçar' (mas posso equivocar-me);

2) Esse personagem é o maior furo do filme, sem dúvida - para nao mencionar no discurso humano malvado da Bonham-Carter...O computer mainframe se dá ao trabalho de torturar o Sam para quê se é uma máquina? Mais uma vazia demonstração de sadismo desnecessário em filmes de acção (sem isso poderia ter ficado mais fino, como o discurso do Arquitecto em Matrix revolutions);

3) Uma piscadela de olho (aka referência óbvia à parte 2, a última que havia prestado na 'franquia'), assim, mesmo os troglodíticos exemplares entre os fãs de AhNOldt tbm entenderiam algo!;

4) Considerando-se a tecnologia que está lá e nao se vê (lógica comum para cobrir esses buracos nos filmes que não sabem como explicar certas coisas), supoem-se que os métodos e meios teriam avançado o suficiente para fazer toda essa treta dispensável (além disso, só fãs de House como vc se dão ao trabalho de esmiuçar essas coisas nesse tom, num filme de ficção como esse);

5) Idem ponto 4 (não pense com uma lógica actual num filme que se passa no futuro!);

6) Essa foi ingenuidade sua. A sensação que tive foi de que seria a salvação da série no sentido de que dariam-lhe um final apropriado (redenção), mas o que fizeram foi mais um filme na lógica 'Begins' (Star trek begins, Batman begins, etc.). Sem desmerecer os demais, a coisa é manter a máquina funcionando sobre a mesma fórmula, não? O gado gosta! A boiada seguirá indo ver as continuações e, o pior, nós também! ;)

7) Outra derrapada. A mulher era super doce à primeira. Será que é pq estava no cio?

8) Não há necessidade para isso, especialmente se o filme quer uma classificação pra um público que nem a menininha muda.

Em Star Trek:
(esquecendo todo o demais)

1) Os nerds de carteirinha (aka os que intitulam-se orgulhosamente 'Trekkies', 'Trekkers' ou 'Crackers' - who cares?) devem ter-se sentido altamente realizados ao ver que mesmo os personagens mais babacas da série teriam um passado 'pesadão e rebelde', mas isso é só um detalhe;

2) Foda terem jogado o Kirk naquele planeta e no meio daquela borrasca de neve ele ter caminhado um pouquinho e...ser encontrado pelo velho Spock! Wow! Spock não havia ido lá a propósito, btw, pois havia um 'time lapse' que não faria com que NADA em toda a história e no conceito para ressuscitar a série quadrasse! (nhamnham: a tal nebulosa/buraco negro havia gerado uns fenômenos brutais e imprevisíveis de 'saltos quânticos' [Se calhar, ainda culparão ao estagiário por essa idéia!];

3) Seguindo nesse 'time lapse', o que (/como) caralhos (se) explica que o velho Spock siga lá no final do filme???? Cacete!;

Facto é que, ainda que normalmente contrariado o que um amigo nosso comum costuma dizer, ambos filmes são bastante entretenidos, cada um com suas peculiaridades.

Ficou longo pra kct, mas 'es lo que hay, tío'! =)

João da Silva disse...

Lendo comentários como do Evz me bate um cansaço, uma decepção, quase uma "desesperança"...
Isso pq T4 pra mim é tão ruim, mas tão ruim, que se alguém discorda disso nem me sobra mais "energia" pra discutir em torno. Por isso que não acrescento mais "falhas" aqui.
Foda também os consertos "fora do filme" que os fãs gostam de fazer. Tipo "ah, não mostraram mas deve ter acontecido isso e aquilo pra ser possível isso e aquilo".
Fechando, o que me admira é vc gostar de 24 e ainda assim reclamar de furos.
Filme bosta do ano. Revoltante. Não sei como conseguem pegar uma mitologia tão legal e cagar assim.

Evz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Evz disse...

Vocês não assistiram T3 então? T3 é o pior de todos! T4 é tão-somente entretenimento(sic), pra todos aqueles que o justificam como sendo "o que vende"! (que conste, não defendo T4!, embora pareça. Critico a ingenuidade que encontrei no texto. Nada pessoal!)

Acho que é um problema de actitude com a qual se vai ao cinema. Eu pelos vistos, seria o único dos 3 que não esperava NADA além do aspecto visual desta 'franquia' que para mim morrera na parte 2 (a última que prestou).

Se duvidam: http://deevagar.blogspot.com/2009/06/o-futuro-nao-e-mais-como-antigamente.html