segunda-feira, 11 de agosto de 2008

PRA FECHAR O CAIXÃO

Sei que Zé do Caixão é um diretor inovador, fez obras-primas do terror B e talz. Mas, convenhamos, Encarnação do Demônio é horrível. Nem trash o filme é. É todo bonitinho e morre de amores por ter descoberto a maquiagem de horror no Brasil. São tomadas de cinco minutos de neguinho sendo pendurado pela pele, como se fosse algo realmente ousado e chocante – talvez para crianças de cinco anos. Não existe roteiro, o filme não tem nexo (os diálogos são incompreensíveis), não tem personagens, não tem comédia (a não ser pelo padre do Tenente Fábio gritando "MORRE, FILHO DA PUTA!"). Tem alguns ângulos bacanas, mas isso aqui não é geometria. Só salva o festival de mulheres peladas. Pelo menos isso não amansaram no Zé do Caixão. Sei que vão falar esses defeitos que listei é o que faz o filme ser legal. Não é. Desculpa, estamos em 2008. E não em 1968. E a única pessoa que tem crédito por causa do passado comigo é Zico. O resto tem que ralar como qualquer outro.

Mais uma para conta das decepções do ano...

Um comentário:

Queequeg disse...

Ainda bem que vc escreveu isso, pq depois de ler a matéria babaovo-"reverente" da RS, eu tive a certeza que o filme deveria mesmo ser uma bosta. Faltava só a confirmação.